Perfil
Menina pequena que ama Starbucks e qualquer coisa que inclua letras. Lê para viver e escreve para respirar. Não sabe andar de bicicleta mas sabe fazer origamis. Vícios incluem Harry Potter, maquiagem, finais felizes e livrarias.
 
 

Wishlist

♥ ♥ Coleção de obras completas de Shakespeare ♥ Cd The Metal Opera (parte I e parte II), do Avantasia ♥ Livro Fama e Anonimato, Gay Talese ♥ Livro A Menina Que Roubava Livros, Markus Zusak
 
 Arquivos

25/07/2010 a 31/07/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

15/11/2009 a 21/11/2009

30/08/2009 a 05/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

 
 Links

 

Visitas

 
21/11/2009 às 19h43

♥ Ouvindo: Lost Wings (Instrumental) - Tsubasa Chronicles

 

 

 

 

Sabe quando um frio estranho parece se apoderar da sua nuca e você sente que seu estômago, ao invés de estar onde deveria, resolveu dar uma voltinha até seus pés com borboletas voando? Quando um simples passar de caixinha de doce faz dedos se roçarem e você sente como se aquela pele macia tivesse deixado uma digital queimando em você? Quando você sente vontade de rir com essa pessoa, de gritar com ela, de chorar com ela? Quando você sente tudo isso... o que você faz com esse sentimento?

 

É difícil querer alguém, muito mais do que querer algo. Normalmente, “algo” sempre pode ser buscado e conseguido: seja porque você quer ser a melhor profissional no que faz, tirar uma nota incrível, comprar uma casa, ajudar velhinhos, dançar a macarena vestido de Carmem Miranda. Qualquer uma dessas coisas, desses algos, você consegue se você se esforçar e realmente colocar força, garra e seu tempo nisso. Mas, quando você quer alguém, as coisas fica mais complicadas. Uma pessoa não se compra – nenhum cheque paga a aposta de ter seu coração na mesa. Esse seu coração que não bate mais no peito, mas sim na boca; ele quer pular para fora, dizer mil coisas, calar outras duas mil. Mais que tudo, ele quer sentir a outra pessoa, ser acolhido, ouvir que és querido também. Podem falar que é questão de jogar charme, ser bonita, inteligente, engraçado, se dar bem com a mãe ou gostar de futebol. Nada disso de fato importa quando o que comanda é seu coração.

 

O coração é totalmente cego. Não precisa que a pessoa querida seja rica, bonita ou até inteligente. Quando você gosta, você gosta. Quando quer, quer. Sem motivo aparente. Pode ser porque essa pessoa tem um cheiro de canela que, cada vez que você sente, tem vontade de abraçá-la só para poder sentir melhor. Ou porque ela sabe cantar sua música favorita de todos os tempos, que quase ninguém conhece, e com uma voz que faz o seu estômago dar outra voltinha indesejada. Porque quando você olha dentro dos olhos dela você vê tantas emoções e expressões que sente que poderia passar cada segundo dos próximos meses só tentando descobrir o que cada uma é; e feliz por nunca chegar ao fim. Existem outras pessoas que querem você, outros que vão achar que, porque você faz piadas ou entende de algum assunto, é a pessoa mais querida. Mas, quando não se tem a irracionalidade, não significa nada. Não dá para fazer nada.

 

Quando você fica distante, você olha esse alguém e quer muito. Sem saber se é querido de volta, sem saber como fazer parar. E, se você está esperando que no final do post eu dê uma brilhante conclusão ou idéia do que fazer com o sentimento, vou ter que te desapontar: eu não faço a mínima idéia do que fazer com isso dentro do meu peito ou dentro do seu. Eu só sei o que se tem vontade de fazer. Querer alguém é complicado – é dar o suficiente de si mesmo para alguém, dar o bastante para eles quebrarem todo seu coração. Porém, existe a chance de eles fazerem exatamente o oposto. Arriscar tudo, quem consegue? Não sei. Só sei que, enquanto meu estômago parece uma montanha russa, eu tomo chá com canela e penso no que fazer. Mais do que isso, no que outra pessoa iria fazer.



Speak Up!